Review: Deadpool

1
388

Deadpool tinha tudo para ser um fiasco: Ryan Reynolds no papel do Mercenário Tagarela, nos remete logo a lembrança de sua desastrosa “atuação” no filme X-Men Origins: Wolverine. Entretanto, logo nos primeiros minutos do filme, perdemos toda a desconfiança ao ver a maravilhosa cena teste em CGI refeita em Live-Action.

O ritmo do filme segue na mescla entre a missão atual do mercenário e flashbacks que mostram como Wade Wilson se torna Deadpool. Logo de início, já vemos que o filme entregará o que esperávamos, com cenas regadas à piadas sujas (nem todas boas), violência, sarcasmo e as famosas quebras da quarta parede, característica do personagem.

deadpool_66-750x380

Ao decorrer do longa, percebemos que não se trata apenas de mais um filme de super-herói, mas sim a tentativa final de redenção para Ryan Reynolds e ele realmente consegue! O personagem está muito fiel aos quadrinhos e apaga completamente o que foi feito anteriormente, o roteiro insere piadas com o próprio Reynolds e seu “Barakapool” e também a terrível adaptação de Lanterna Verde, além de “alfinetadas” nos X-men.

A quebra da quarta parede foi trabalhada com maestria, o personagem se comunica com o expectador no cinema e deixa os contracenantes confusos que não entendem com quem o mercenário está falando, o que é totalmente fiel ao que é visto nos quadrinhos.

Deadpool Ryan Photo

Outro ponto alto é a caracterização dos dois X-men que participam do longa, Colossos está melhor do que nunca e finalmente ganhou uma caracterização digna de se orgulhar, enquanto isso, a não tão famosa Míssil Adolescente Negasônica destaca-se como uma personagem forte e que consegue brilhar (literalmente) durante seus momentos em cena.

O figurino é um show à parte, podemos dizer sem sombras de dúvida que são os melhores uniformes de super-herói que um filme produzido pela Fox já fez, o uniforme de Negasônica até mesmo remete ao uniforme da primeira formação dos X-men nos quadrinhos.

Teenage Negasonic

A maravilhosa brasileira Morena Baccarin entregou-se de corpo e alma ao papel de Vanessa Carlysle (Nos quadrinho também conhecida como Copycat), a recatada legista de Gothan surpreende ao encenar o papel de uma prostituta e é mais do que um simples par romântico, sendo carismática e apresentar uma excelente química com Ryan Reynolds. No entanto, a personagem acaba caindo no estereótipo da garota indefesa que espera o herói vir salvá-la, o que foi desnecessário.

Os vilões são bem inseridos na trama e criam excelentes ganchos de piadas para Deadpool (e até mesmo para o Colossus).

Outros dois personagens de serem mencionado são Blind Al e Wasel, dois personagens que poderiam ficar apagados em meio à tantos outros eventos do filme, porém se fazem notados por suas personalidades sarcásticas e mostram que não estão neste universo para serem sidekicks.

Em suma Deadpool é um excelente filme, divertido, sem pudor e eletrizante, muitas das cenas de violência nos deixaram presos na cadeira. Esperamos que o filme sirva de lição para os estúdios, pois realmente apresentou o que os fãs querem ver. Como comentário final podemos destacar a Dublagem (sim, assistimos dublado), que não decepcionou em nada, todos os palavrões foram ditos e a experiência talvez tenha sido melhor, pois os dubladores foram impecáveis, piadas bem adaptadas e coerentes com o que era dito na versão original.

#PEIDEIESAÍ