Se você tiver quatro horas para se comprometer em um safari televisual, você amará Friends from College. Se você quer que seu coração seja despedaçado por Nicholas Stoller, o cara que dirigiu Ressaca de Amor, uma das melhores comédias da atualidade, de um passo para a frente e aperte play.

O elenco desta série envolvendo um círculo de amigos é tão encantador, e a escrita tão boa que você vai gostar de todos eles devido as suas personalidades próximas da realidade, apesar das ocasionais coisas terríveis, e muitas vezes estranhas, que eles fazem no seu cotidiano. Claro, isso ajuda que a maioria dos membros do elenco traga situações diversas a mesa, garantindo momentos engraçados, assim, aumentando o quociente de favoritismo.

Eles estão sempre cutucando os pontos sensíveis do outro, ou de si mesmos, fazendo coisas engraçadas que as pessoas fazem quando estão sozinhos. Friends From College é um drama-comédia de união muito boa com mensagens morais complicadas e subliminares, mas esses amigos são pessoas interessantes com quem queremos passar o tempo, pelo menos durante os 8 episódios que consistem essa primeira temporada.

Stoller criou e escreveu esta série com sua esposa, Francesca DelBanco. Ele estudou em Harvard e deve ter trazido algumas de suas próprias experiências para a base desse enredo. Mas se ele e seus colegas da faculdade são realmente assim, então se encaixam muito bem naquele ditado popular, “Mantenha seus amigos por perto e seus inimigos mais ainda”.

Os conceitos básicos de uma comédia foram descartados aqui para permitir o comportamento terrível e inexplicável dos personagens. Stoller e DelBanco pensaram mesmo em quem seria seu público-alvo, com um elenco impressionante e estrelas convidadas de peso.

“Friends From College” possui um elenco bom, e tem a sensação de “Amigos” de verdade. A serie foca em 6 amigos de Nova York que se conheceram em Harvard há duas décadas e permaneceram juntos, em alguns casos, um pouco perto demais. Essa é a tensão central da trama, com Ethan (Keegan-Michael Key) e Sam (Annie Parisse), que mantem um caso de 20 anos, mais longo até do que seus respectivos casamentos. Quando Ethan decide reunir novamente a gangue, agora que decidiu voltar a morar em NY, os problemas começam a surgir e os segredos guardados começam a vir a tona.

O grupo de amigos, passam uma quantidade excessiva de tempo juntos, e os relacionamentos vão se complicando cada vez mais no decorrer da história. O agente literário Max (Fred Savage), por exemplo, está tentando ajudar Ethan a vender um livro, enquanto Marianne (Jae Suh Park) está ciente do caso, e esse conhecimento esta devorando ela. Nick (Nat Faxon) é o clássico riquinho da turma, o Peter Pan que nunca cresce.

Um grupo muito forte, e a escrita produz algumas sequências divertidas. Mas é visível que a serie não tem muito impulso narrativo, o que faz com que os oito episódios às vezes se sintam ligeiramente desconectados, incluindo uma viagem de ônibus e um casamento com participação especial de Seth Rogen, que já trabalhou com Stoller em “Vizinhos” em 2014, assim como sua sequência no ano passado.

A série traz novamente as emoções e conexões voláteis que foram forjadas durante os anos universitários mais desinibidos, Ethan e Sam são apenas o caso mais extremo de suas tensões e comportamentos não resolvidos. Para todas as virtudes atraentes das composições aperfeiçoadas e texturizadas, há uma sensação de uma formação mais flexível e uma maior ênfase no desempenho pressionado para seus limites podem ter trazido confissões e explosões emocionais maiores e mais viscerais.

Os amigos se comportam na maior parte do tempo, embora haja numerosos confrontos com essas pessoas abraçando seus impulsos mais feios, desesperados e desinibidos. Também é inteligente o suficiente para perceber que há algo genuinamente atraente sobre seguir esses impulsos, e que eles poderiam muito bem levar a um lugar saudável, apesar das raízes mordazes do relacionamento.

A Netflix mostrou ampla habilidade em fazer sua série parecer uma versão muito moderna das séries populares exibidas nos canais por assinatura. Como uma extensão das mesmas preocupações que Stoller explorou em seus melhores filmes, Friends of College, mostra imensa empatia e amor por aqueles que não podem deixar de ser irritados pelos fantasmas dos bons tempos. Stoller e sua equipe criativa vão ainda mais longe para admitir que raramente é claro se os desejos de alguém são de nostalgia ou paixão genuína.

NOTAS
Direção
Roteiro
Trilha Sonora
Fotografia
Atuação
Compartilhar
Post anteriorStar Wars: Os Últimos Jedi | Artes promocionais destacam, Luke, Rey, Kylo Ren e mais
Próximo postSérie animada do Homem-Aranha revela elenco de dubladores
Estudante de Jornalismo e criador do Blog "Tocah Do Coruja", viciado em escrever sobre quadrinhos, cinema e desenhos animados. Por ser um aficionado por esse universo fantástico desde antes de aprender a ler e escrever, sempre quis saber mais sobre meus heróis favoritos garimpando de blog em blog informações e conceitos relacionados a esse universo.
  • Ailton Júnior

    Parabéns pela crítica. Vejo muitas pessoas que, provavelmente assistiram apenas o primeiro episódio, depreciando a série. Porém, mesmo lendo tais críticas, resolvi dar uma chance à série e não me arrependi. Confesso que achei o primeiro episódio forçado, mas a sequência é boa e me arrancou muitas gargalhadas.. e olha que se tratando de séries de comédia, já assisti praticamente todas. Enfim, já estou na expectativa pela segunda temporada!

    • Muito obrigado pelo elogio, é gratificante ler isso e nos motiva a produzirmos cada vez mais!

  • Larissa

    Parabéns pela crítica ^^